AS FUNÇÕES DO CASAL – Carl A. Whitaker

 

 

 

 

Segundo o autor, “o que está por trás do casamento é que eu sou um indivíduo ao qual falta alguma coisa.” O “fluxo e refluxo do processo de vida faz com que seja difícil que possamos ficar satisfeitos onde estamos.” Considera que “há aspectos no nosso jeito de crescer que são culturalmente determinados”, como o desejo de permanecer criança, simplificar a vida, ser dependente, e outros.
“(…) casamento é um modelo adulto de intimidade.” Com um sistema de normas preciso. As normas do mundo não se aplicam ao casamento. “No casamento é bom haver guerra, é bom não haver boas maneiras e cortesias.”
“O casamento tem uma dimensão temporal.” “Uma de suas funções, consiste em aumentar o nível do metabolismo.” “(…) ninguém vive uma vida tão intensa se não for casado.” (…) uma das grandes funções do casamento é desencadear a tensão, aumentar a ansiedade e os seus efeitos positivos e negativos.”
” O casamento provoca também uma alienação em relação ao passado.” (…) as pessoas casadas correm menor risco de continuar grudadas à barra da saia da mamãe e do papai e à infância.
“O casamento funciona como catalisador da criatividade, (…) perturbando a homeostase, destruindo a organização individual, sua solidez, o sossego.”
” também precipita a integração, a vontade se transforma em desenvolvimento.Aumenta a homeostase e a estabilidade.”
” quanto mais estão juntos, mais estão separados. Se não conseguirem se separar, não conseguem nem aumentar a intimidade. Se não conseguirem aumentar sua individualidade, também não conseguem aumentar o ficar juntos. Quanto mais você é livre para ficar com os outros,especialmente sua mulher, mais você se sente livre consigo mesmo. Quanto mais estiver consigo mesmo, mais pode estar com ela.” “(…) é como transar. Não dá para entrar e ficar. É um movimento para a frente e para trás, um estado fluido.”
“(…) o casamento transita da distância á proximidade, e esta abrande ambos os componentes , ódio e amor, e a intimidade e a vulnerabilidade elevam a temperatura do amor e do ódio.”
O autor considera que exista um período de crise por volta dos 7 ou 10 anos de casado, em que “se torna claro para as duas pessoas que não podem reconstruir o outro. Ele percebe que ela nunca vai ser o que ele queria que ela se tornasse, e ela sabe que não vai conseguir fazer com que ele mude para o homem que ela queria que ele fosse.” (…) Transferência e contratransferência, o relacionamento fica cada vez mais morto.
Às vezes, o impasse é superado buscando apoio profissional; outros vezes, buscam através de um(a) amante, aumentar a temperatura do casamento.
Depois, quando os filhos saem de casa, a crise dos 20 anos de casados, “é outra que, quando superada leva ao enfrentamento da velhice e da morte , percurso que também requer um certo tipo de background para que também se torne parte construtiva de sua vida em comum.”
( Do livro O CASAL EM CRISE – ANDOLFI, Maurizio; ANGELO,Claudio; SACCU, Carmine,3ªed.)

 

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

UN CAFÉ CON ANDOLFI EN PARIS – ENTREVISTA A MAURIZIO ANDOLFI, EXPERTO EN TERAPIA FAMILIAR

Los próximos días 3 y 4 de diciembre de 2010, la ciudad de Castellón (España) acogerá la celebración del Seminario Internacional sobre la Violencia en la Adolescencia. Experiencias en la Terapia Familiar, impartido por Mauricio Andolfi, especialista de reconocido prestigio internacional en la intervención con familias, y organizado por el Centro de rehabilitación “El CAU”, el Centro piloto de estudios avanzados para el desarrollo de programas sobre familia y discapacidad y la Diputación de Provincial de Castellón.

Mauricio Andolfi es especialista en terapia de familia y, actualmente, desempeña su labor profesional como director de la Academia de Psicoterapia de la Familia y como profesor en la Universidad de La Sapienza en Roma. En este seminario, Andolfi explicará desde una perspectiva eminentemente práctica y aplicada su modelo de itervención en familias que presentan problemas relacionados con la violencia. Aprovechando su próxima visita a España, Infocop Online tiene el placer de publicar para sus lectores una entrevista al profesor Andolfi, que ha sido realizada por Juan Rodríguez-Abellán (Centro Piloto de Estudios sobre Familia y Discapacidad de Castellón) y por Annette Kreuz Smolinski (Centro Fase2, Valencia), con la colaboración de José Navarro Góngora (Universidad de Salamanca, España).


Un momento de la realización de la entrevista. De izqda. a drcha.: Mauricio Andolfi, Annette Kreuz Smolinski y Juan Rodríguez Abellán

ENTREVISTA

Juan Rodríguez Abellán(1) y Annette Kreuz Smolinski(2)
(1)Centro Piloto de Estudios sobre Familia y Discapacidad de Castellón (España) y (2)Centro Fase2 (Valencia)

¿Cuál fue su inicio en la terapia familiar?

Mis comienzos se encuentran en la psiquiatría infantil. Poco a poco, empecé a entrevistarme con familias y a entenderlas a través de las relaciones entre la madre y la hija, entre el hermano y la hermana, entre el padre y los hijos. Al final, abandoné la psiquiatría infantil y me dediqué a la psicología de la familia y a su enseñanza durante los últimos 35 años.

¿Cuáles fueron los momentos más importantes de estos 60 años de historia de la terapia familiar?

Me centraré en los últimos 40 años y, de ellos, resalto dos décadas, la de los años 70 y la de los 80; dos décadas de gran creatividad y de trabajo con las instituciones públicas. Trabajé en Nueva York, en el Bronx, con niños adolescentes delincuentes y con todos los maestros de la terapia familiar de la costa este, como Minuchin, Bowen, Ackerman, Whitaker y Haley, en ciudades como Filadelfia, Nueva York o Washington.

Todo el mundo piensa que la terapia familiar empezó en la Escuela de Palo Alto, pero éste es un error geográfico e histórico muy importante. En realidad, la terapia familiar empezó con Nathan Ackerman, antes de la guerra. Ackerman y Virginia Satir fueron las personas que empezaron a aplicar la terapia familiar. Que su nacimiento fuera en Palo Alto es un mito, aunque también supuso momentos muy interesantes en relación con la comprensión de la comunicación humana, por la teoría del doble vínculo, que es muy interesante y muy peligrosa a la vez, al describir la etio-patogénesis de la esquizofrenia por parte de la familia. Es decir, pienso que Palo Alto fue muy importante, pero que la terapia familiar no empezó allí. En la Escuela de Palo Alto, nunca se veían a familias juntas, sino que se hacía mucho trabajo individual. Yo pienso que la persona más influyente en la perspectiva teórica fue Mary Boyle, que, junto a su grupo, se decidió por la orientación psicodinámica. Ella decía que el individuo no existe, que el individuo se estudia con la comprensión de las dinámicas intergeneracionales y de pareja: dos ejes, uno horizontal y uno longitudinal.

Para mí, la terapia familiar no es una forma de terapia privada para las personas de alto nivel económico, porque la terapia familiar existe en todos los hospitales psiquiátricos, en la comunidad, en los barrios, etc., es una terapia de red. Después se transformó en una técnica que, actualmente, según mi opinión, yo la llamaría la condon therapy -la terapia del preservativo-. Igual que se pone el preservativo para evitar el contagio, se aplica la terapia familiar: de terapia de contacto a terapia de la distancia mental y de lo políticamente correcto, que significa que la gente no habla de las cosas directamente como las ve y las siente, sino de las cosas que es conveniente decir y no decir; es una forma de diplomacia papal.¿Qué opina de las diferentes escuelas de terapia que existen actualmente?

La distinción entre las diferentes escuelas de terapia familiar me parece horrible. Tenemos la generacional, que habla del desarrollo de la familia, la del enfoque de Milán, el post Milán, el grupo de terapias breves de Milwaukee en Winsconsin, la narrativa, etc. Pienso que, cuando los modelos son más importantes que las personas, la creatividad ya no existe.

 

Y, en este momento, en los Estados Unidos, la terapia familiar ya ha muerto. En Europa, en cambio, sigue estando muy viva, pero dominada por las ideas norteamericanas. Y pasa lo mismo que en la política: las personas que no piensan son la mayoría; mientras que las personas que piensan siempre, están en una situación de minoría. En la minoría, hay espacio para la creatividad y transformación, la mayoría conduce a la oveja sistémica. 

¿Qué considera que usted ha aportado personalmente a la terapia de familia?

No estoy todavía seguro de que haya aportado algo a la terapia de familia. He estado muy influenciado por mis maestros, como Carl Whitaker y Salvador Minuchin. Además, soy todavía demasiado joven para saber si yo, realmente, he aportado algo a la terapia familiar. A lo mejor, la única idea, que es muy difícil de transmitir, pero que yo considero extremadamente útil, es el trabajo con los niños. En este sentido, el niño es respetado como sujeto competente desde que tiene 2 años hasta los 18, mientras que en la terapia familiar casi nunca es respetado, sino protegido. Ya no hay, en nuestros equipos de trabajo, profesionales que quieran escuchar la voz del niño. La voz de un niño es siempre la voz de una minoría que habla y que normalmente nadie escucha. Entonces mi idea es escuchar a los niños, jugar con ellos y entrar en el mundo de los adultos a través de los niños. La segunda parte, que nunca ha cambiado, es que yo siempre he pensado que todo lo que ocurre a nivel micro, ocurre a nivel macro, y todo lo que pasa en el nivel macro, pasa en el nivel micro. No existe ningún terapeuta, que trabaje con familias, que no tenga unas ideas políticas, aunque él no sea consciente de ello. A menudo, las ideas políticas son de control social, así que un terapeuta que trabaje con familias hace constantemente actos políticos. Por ejemplo, dar a un niño un fármaco para mejorar la atención es una elección política, no es una elección farmacológica.

¿Cuáles son las claves de su trabajo en violencia y en adolescencia?

Podría enseñaros una copia de mi último libro que se llama Storie di Adolescenza, se trata de experiencias de terapia familiar. Es el volumen más maduro de mi trayectoria, el que más me gusta, porque es fácil hablar de niños y de adultos, pero es mucho más difícil hablar de adolescentes, porque el adolescente está en el medio, entre el niño y el adulto, y la adolescencia es siempre revolucionaria. Por eso, he esperado muchos años para escribir sobre ellos. Ahora, acabo de escribir este libro donde se trata la violencia sobre los adolescentes, sobre sus dependencias psicológicas y la depresión con intentos de suicidio. Y, aquí, también el tema dominante es escuchar a los adolescentes. Desgraciadamente, cuando tenemos a un adolescente violento, nos ocupamos de la violencia y no nos interesamos por el adolescente; es como si tenemos a una chica anoréxica, y nos ocupamos de la anorexia, no de la chica. Cuando un chico intenta suicidarse, nos preocupamos de que siga con vida, pero no nos preocupamos de comprender qué significa aquel gesto. Así que, para mí, la adolescencia es el punto más importante para entender el funcionamiento de la familia hoy en día. Tristemente, muchos terapeutas prefieren ver a los adolescentes a solas o en grupos de adolescentes, porque piensan que, si la familia es opresiva, es mejor que el adolescente pueda ver al terapeuta y hablar libremente. Yo pienso que es un gran error, porque, si habla libremente con nosotros, pero no con sus padres delante, este adolescente se convertirá en un adulto que no habrá sido capaz de graduarse como hijo.

¿Cuáles serían las claves para formar a buenos profesionales?

Hace un tiempo se decía que el mejor ejemplo que se podía tener en la familia era el de los padres, pero hoy se usa cada vez menos porque los padres son cada vez menos ejemplares. Pero, aún así, el mostrar a un joven las maneras de portarse, las decisiones, a veces duras, que un adulto tiene que tomar, es la mejor manera para formarlo. En la terapia, pasa lo mismo: hay muchísimos profesores que enseñan teorías, pero no enseñan cómo las teorías pasan a través de ellos como profesores. De esta manera, forman a alumnos que se esconden detrás de las teorías. Y, hoy en día, cuando escogen las escuelas y todos escogen la misma, no es porque realmente vayan a aprender algo importante, sino porque se defienden detrás de las teorías. Habría que investigar cómo construir la teoría a través de la experiencia, tanto vital como profesional. Un ejemplo de buen terapeuta es el que consigue decir lo que realmente piensa, y no lo que a un público se le tiene que decir para no decir lo que se piensa. Y eso pasa no sólo en las conferencias y en la formación, sino también en las familias: no se dice lo que se piensa, debería de haber más transparencia.

¿Hacia dónde cree que evolucionará la terapia de familia en un futuro?

Creo que el pensamiento sistémico se mantendrá vivo por mucho tiempo aún, sobre todo porque ha entrado también en otras disciplinas y ámbitos, como en el de los ingenieros, los arquitectos, los filósofos: el ser sistémico, hoy en día, es fundamental. Creo que los terapeutas sistémicos tienen la oportunidad de decir “nosotros también estamos aquí”. La terapia de familia no va a morir por una razón, y es que existen unas familias, especialmente las familias de inmigrantes, que están cambiando completamente la geografía de Europa, y, en muchos países, estos cambios se perciben como una amenaza a sus propias seguridades y pertenencias de una manera tan intensa que se podría decir revolucionaria. Eso quiere decir que los terapeutas tendrán que ocuparse de culturas, de parejas mixtas, de parejas homosexuales, de parejas que vienen de otros mundos, y tendrán que decidir si están capacitados para escucharles. Así que, creo que la migración será un gran problema y, al mismo tiempo, una gran oportunidad, no sólo para la comida –porque a todo el mundo le gusta conocer la gastronomía de otros países-, sino también para aprender otro tipo de cosas. Por tanto, o la terapia familiar se interesa por las diversidades culturales para crecer o se convertirá en una terapia localista. Yo soy optimista, pero se tendrá que formar a muchas personas que ya no serán blancos, católicos, profesores universitarios, sino que se tendrá que formar a personas procedentes de otros mundos, otras culturas, y esto no será sencillo porque nosotros, cultura dominante, estamos bien equipados para evitar que los demás crezcan.

 

Entrevista realizada en Paris, el día 30 de Octubre de 2010, en el marco del Congreso Europeo de la EFTA, por Juan Rodríguez Abellán (Centro Piloto de Estudios sobre Familia y Discapacidad, Castellón, España) y Annette Kreuz Smolinski (Centro Fase2. Valencia, España), con la colaboración de José Navarro Góngora (Universidad de Salamanca, España).

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Globo Reporter Familia 1

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Globo Reporter Familia 2

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Globo Reporter Fmilia 3

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Globo Reporter Familia 4

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Globo Reporter Familia Parte 5

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Diferenças entre homens e mulheres

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Cegueira do amor – Lenda

Contam que uma vez se reuniram todos os sentimentos e qualidades do homem, em um lugar da Terra.

Quando o Aborrecimento já havia reclamado pela terceira vez, a Loucura, como sempre tão louca, lhe propôs:
– Vamos brincar de esconde-esconde?
A Intriga levantou a sobrancelha e a Curiosidade, sem poder se conter perguntou:
– Esconde-esconde? O que é isto?
É um jogo – explicou a Loucura, – em que eu fecho meus olhos, conto até um milhão, enquanto vocês se escondem.
Quando eu terminar de contar começo a procurá-los, e o primeiro que eu encontrar ocupa o meu lugar no jogo.

O Entusiasmo dançou, seguido pela Euforia. A Alegria deu tantos saltos que acabou convencendo a Dúvida e até a Apatia que nunca se interessava por nada. Mas nem todos participaram, a Verdade preferiu não se esconder : “Pra que se no final todos me descobrem?” Disse a Verdade.

A Soberba opinou que era um jogo muito tolo ( no fundo o que a incomodava era que a idéia não tinha sido dela) e a Covardia preferiu não se arriscar.
Um, dois, três…- começou a contar a Loucura.

A primeira a se esconder foi a Pressa que, como sempre, caiu atrás da primeira pedra no caminho. A Fé subiu ao céu e a Inveja se escondeu atrás da sombra do Triunfo, que com seu próprio esforço tinha conseguido subir na copa da mais alta árvore.

A Generosidade quase não conseguia se esconder, pois cada local que achava lhe parecia maravilhoso para algum de seus amigos, ao contrário do Egoísmo, que encontrou um ótimo lugar só para ele.
A Mentira se escondeu no fundo do oceano ( mentira! Foi atrás do arco-íris).

O Esquecimento, não me recordo onde se escondeu. Quando a Loucura estava lá pelo 999.999, o Amor ainda não havia achado um lugar para se esconder, pois todos estavam ocupados. Até que encontrou um roseiral e decidiu ocultar-se entre as rosas. Um milhão! – terminou de contar a Loucura e começou a busca. A primeira a aparecer foi a Pressa, apenas a três passos de uma pedra.

Depois escutou a discutindo com Deus sobre teologia. Em um descuido encontrou a Inveja e, claro, pôde deduzir onde estava o Triunfo.

O Egoísmo não precisou ser procurado: saiu correndo de seu esconderijo, que era um ninho de vespas.

A Dúvida foi mais fácil, encontrou-a sentada em uma cerca sem decidir de que lado se esconder.

E assim foi encontrando a todos: O Talento, nas ervas frescas; a Angústia, em uma cova escura….Apenas o Amor não aparecia. Quando a Loucura estava dando-se por vencida, encontrou o roseiral, pegou uma forquilha e começou a mover os ramos. No mesmo instante ouviu-se um doloroso grito. Os espinhos tinham ferido o Amor nos olhos. A Loucura não sabia o que fazer para se desculpar. Chorou, rezou, implorou e até prometeu ser seu guia.

Desde então, o Amor é cego e a Loucura sempre o acompanha.

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

CORREIO BRAZILIENSE

RELACIONAMENTO » Uma mãozinha para o acaso Depois de anos investindo na carreira, você percebe que o tempo passou e a vida amorosa ficou em segundo plano. Cada vez mais, pessoas com essas características recorrem a agências e sites de namoro em busca de um amor

Rafael Campos

Publicação: 15/10/2010 20:32 Atualização: 15/10/2010 21:46

Eduardo e Mariana se conheceram em um grupo de relacionamento virtual: pouco tempo depois, estavam casados e com uma filhinha, Larissa
 (Rafael Ohana CB/D.A.Press)  
Eduardo e Mariana se conheceram em um grupo de relacionamento virtual: pouco tempo depois, estavam casados e com uma filhinha, Larissa

Há quem celebre o amor surgido de encontros ao acaso, e o cinema reforça essa ideia a cada nova comédia romântica. O que os roteiristas hollywoodianos não contam é que, na vida real, esses acasos, muitas vezes, esbarram na crescente necessidade das pessoas de focar em suas carreiras. Como consequência, milhares de homens e mulheres bem sucedidos na profissão ficam sem tempo para relacionamentos. Muitos findam tendo sucesso no trabalho, mas sem ninguém para, no mínimo, fazer um cafuné ao fim do dia.

O que essas pessoas querem, além de um amor para chamar de seu? Praticidade. O jogo da paquera demanda esforço, tempo e uma disposição que muitos não têm. E, se antes, as agências e os sites de relacionamento conseguiam interessados apenas entre os muito tímidos, hoje, é com os que trabalham demais que elas fazem sucesso. “Nós temos 30 milhões de perfis registrados e recebemos 400 mil novas adesões todos os meses. O que existe é uma mudança de atitude: com mais trabalho e menos tempo, as pessoas veem seus círculos diminuírem e nos procuram”, afirma Claudio Gandelman, presidente do Par Perfeito, maior site de relacionamentos do país.

De acordo com Gandelman, 41% dos cadastrados têm entre 25 e 35 anos, justamente a fase da vida em que a carreira é colocada em primeiro lugar. “No restante, 37% estão acima dos 35 e 22%, entre 18 e 24 anos”, completa. Cobrar ou não taxas para inscrição e manutenção do perfil é indiferente para os que se aventuram em amores que forçam o acaso. Como na história do analista de crédito Eduardo Soares, 37 anos, e da securitária Mariana Heri Inoue, 38. O casal se encontrou por meio de um grupo virtual gratuito para balzaquianos solteiros. Apesar de a primeira intenção ter sido apenas conhecer pessoas, eles viram seus estados civis mudarem depois disso. Casados há três anos e meio, os dois já têm até uma filha, Larissa, de dois anos. “Nunca imaginei que pudesse conhecer meu marido na comunidade. Quando entrei, havia saído de um relacionamento longo e não queria namorar de novo. Mas aconteceu”, resume Mariana. Eduardo também não esperava encontrar o amor: seu pensamento ia na direção contrária. “Normalmente, os homens entram nessas porque querem pegar geral. Só que acabei me apaixonando.”

Sem conhecer quase ninguém em Brasília, o gaúcho Jorge Sarkis recorreu a uma agência para fazer amizades (Rafael Ohana CB/D.A.Press)  
Sem conhecer quase ninguém em Brasília, o gaúcho Jorge Sarkis recorreu a uma agência para fazer amizades

Sejam balzaquianos ou recém-saídos da adolescência, não há idade para o romantismo, nem formas de se conhecer a pessoa amada. Mas, com a experiência, fica visível que a máxima de que os opostos se atraem parece só dá certo mesmo na física. Que o diga Ricardo Amaral. O advogado de 46 anos, que já foi casado, decidiu que agora só se relaciona com mulheres que compartilhem dos mesmos gostos que ele. E, para ajudá-lo, inscreveu-se em uma agência, na qual estipula em seu perfil o que busca. “Claro que não há fórmulas mágicas para que um amor dê certo. Mas a agência viabiliza o encontro com mulheres que tenham os mesmos objetivos que os meus. Pode sim dar errado, mas ajuda muito”, garante. Ricardo também afirma que o trabalho reduz drasticamente seu tempo, e o barzinho à noite, muitas vezes, é trocado por processos.

“Isso nos torna mais exigentes, porque já passamos por muito na vida. Minhas filhas estão criadas, eu sou feliz na minha profissão. Agora, quero encontrar alguém que deseje o mesmo que eu, e acredito que a agência pode me ajudar.” O advogado conta que, no início, tinha preconceito: achava que agências de relacionamento eram para os antisociais. “Depois de sair com algumas mulheres que conheci por meio dela, percebi que minha visão estava errada. Pode parecer engraçado quando falamos para as pessoas. Contudo, é mais uma forma de encontrar alguém e ser feliz.”

Mesmo assim, muita gente prefere não assumir que participa desse jogo de amor. É o caso da bancária Ana, 40 anos, que não quis dar o sobrenome. Para ela, esse modo diferente de procurar um namorado ainda pode assustar os mais próximos. “Acho a ideia legal, mas também absurda. Porém, saí com quatro pessoas e foi uma experiência muita interessante.” A bancária acha que a proposta de unir apenas quem tem interesses comuns dá uma força a mais para que a relação engrene. “Imagine se você detesta cachorros e tem que se relacionar com um veterinário? Não dará certo. A agência evita que isso ocorra. Mas os esforços para que o amor se mantenha são iguais a qualquer relacionamento.”

Sinceridade é bom e eles gostam!
As agências, sejam elas virtuais ou reais, funcionam em um processo semelhante: ao se cadastrar, o usuário preenche um ficha na qual coloca todos os seus gostos. E todos aqui não é força de expressão. Cor do cabelo, dos olhos, altura, grau de instrução, nível salarial, hobbies. Essas informações são necessárias para que, ao se cruzar os dados, os que têm gostos parecidos tenham mais chances de se encontrar. Só que mentir é fácil, mesmo que isso seja uma atitude quase oposta ao desejo de manter um caso sério. “Aqui, se a pessoa mente, marca encontro e não vai, combina de ligar e não liga ou é grosseira, o cadastro é retirado. É a forma que temos de controlar”, afirma Edson de Souza, proprietário da agência matrimonial Anjo Meu, que tem 12 mil cadastrados em todo o Distrito Federal e funciona por meio do telefone: todos os dias, o usuário pode ligar para saber se alguém mais foi adicionado ao seu perfil.

Para dar mais segurança aos usuários desse tipo de serviço, o governo do estado de Nova York, nos Estados Unidos, por exemplo, aprovou uma lei na qual os sites de encontros devem alertar, em suas páginas, sobre os riscos que os usuários correm ao sair com alguém que conheceu na rede. As dicas envolvem não dar o endereço ou mesmo o número do celular, além de não fornecer dados, no primeiro encontro, como onde trabalha. A medida soa exagerada, já que um pretendente mais entendido pode conseguir essas informações em buscas rápidas na internet, mas não deixam de ser necessárias.

A possibilidade de construir uma imagem traz riscos também para os que criam personagens na esperança de parecerem mais atraentes. De acordo com a terapeuta de casais Marília Lohmann Couri, é preciso que os usuários façam uma autoanálise, mais ainda os que usam a internet. “Eles têm que se perguntar: ‘Será que me escondo atrás da tela?’. A grande questão é definir o que se busca, já que, de modo geral, as agências e sites de relacionamento são formas positivas de encontrar alguém. Mas seu uso depende da maturidade de cada um.” Ela explica que muitas pessoas têm fragilidade emocional acentuada e podem acabar se relacionando com pessoas que não são totalmente sinceras.
Contudo, Marília pende mais para o lado das vantagens trazidas pela experiência de se cadastrar em um site ou agência de namoro. A psicóloga atesta que o isolamento provocado pelo trabalho é maior atualmente. Ao se limitar o círculo de relações aos colegas de profissão, muita gente perde oportunidades de conseguir um caso amoroso. “Por meio dos sites e agências, pode-se conhecer outras pessoas que tenham os mesmos interesses, além de ajudar quem não tem tempo. Eles fazem com que todos se abram mais.” A terapeuta faz questão de lembrar que fugir dos acasos do amor não é uma novidade. “Meu pai era psiquiatra e há 50 anos fazia parte de uma agência de namoro, analisando a personalidade das pessoas e ajudando-as a se encontrar.” E, se depender dos dados da última Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (PNAD), divulgada pelo IBGE, as agências de namoro serão famosas por muito tempo. Atualmente, mais de 62 milhões de brasileiros são solteiros.

Érika Queiroz, que se autointitula coach em relacionamentos e mantém um blog dedicado a contar histórias de amor que começam pela rede, diz que é preciso muita pesquisa antes de dar início à caça. “Se você é evangélico, talvez seja mais interessante buscar um site apenas para pessoas evangélicas. Pois, se a religião do parceiro tiver que ser a mesma que a sua, num site genérico você vai receber mensagens de pessoas de qualquer religião ou mesmo sem”, exemplifica. Outra dica é não ter medo de gastar. Érika garante que os sites pagos são mais confiáveis, pois tendem a impedir a entrada de pessoas sem interesse em relacionamentos. “No caso das agências, seria bom fazer uma visita sem compromisso e tentar descobrir histórias que deram certo, até mesmo conseguir contatos de pessoas que já usaram o serviço”, completa.

Namoro ou amizade?

Sem tempo para cair na balada, o advogado se inscreveu em uma agência: encontro com mulheres que tenham gostos parecidos com os seus (Valério Ayres/Esp./CB/D.A.Press)  
Sem tempo para cair na balada, o advogado se inscreveu em uma agência: encontro com mulheres que tenham gostos parecidos com os seus

Os sites e as agências de relacionamento não funcionam apenas como um canal para o início de um romance. As relações fraternais também podem surgir com uma mãozinha deles. Foi assim que o engenheiro Jorge Sarkis, 38 anos, conseguiu um maior grupo de amizades em Brasília. Nascido no Rio Grande do Sul, ele diz que conhecia gaúchos quando chegou aqui, mas eram poucos. “Chegavam os fins de semana e, muitas vezes, estava sozinho. Como você não sabe o que as pessoas querem em festas, procurei a agência. Lá, todos já sabem o que buscam.” No caso dele, mais amigos. O engenheiro conta que falou com diversas pessoas interessantes, o que o ajudou — e muito — a se adaptar na cidade. “Não acho que Brasília seja um local de gente fria. Mas você tem que procurar. Hoje, abri muito o meu leque de relações e não perco nenhum momento de lazer.”

Esses momentos podem até ser patrocinados pelas agências. Há cada 15 dias, Edson Souza, da Anjo Meu, promove bailes que garantem a interações entre os clientes. Ele conta que as festas são idênticas a quaisquer outras, com uma diferença primordial: quase todos os participantes estão procurando um relacionamento sério. “Há os bailes que são direcionados para quem tem entre 18 e 40 anos e para os que têm de 40 até 85 anos. Fazemos também o baile dedicado aos evangélicos, sem bebidas alcoólicas e com música gospel”, enumera.

Ele lembra que não há tempo certo para a pessoa certa, e que as agências existem para garantir um contato mais rápido e que traga, pelo menos inicialmente, a certeza de que o amor pode ser eterno. Ele mesmo é prova da eficácia do serviço: casou-se com uma das cadastradas em sua empresa. “Foi algo que não seguiu a minha prática, mas não deu para resistir.”

As mentiras que todos contam
O site americando Gizmodo fez uma pesquisa que analisou quais são as maiores mentiras contadas por aqueles que estão nos sites de relacionamento. Como a fiscalização de todos os usuários é impossível, cabe a você tentar não cair em uma roubada.

– Todos são, normalmente, cinco centímetros mais baixos do que informa o perfil.
– As fotos mais belas, quase sempre, representam a pessoa dois anos antes da criação do perfil.
– Os salários são 20% menores do que os declarados.
– 80% dos que se declaram bissexuais querem somente parecer mais descolados em relação ao sexo — e consegui-lo mais facilmente —, já que mandam mensagens apenas para um gênero.
Fonte: http://gizmodo.com/5586987/the-big-lies-people-tell-in-online-dating

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário